domingo, 23 de abril de 2017

Royal Enfield chega ao Brasil

Royal Enfield chega ao Brasil com 3 motos de média cilindrada com visual retrô
Centenária marca de origem britânica especializada em motos clássicas inaugura subsidiária no Brasil.
Primeiros modelos são: Classic, Bullet e Continental GT, todos importados da Índia.


Por Rafael Miotto, G1, São Paulo
18/04/2017

A centenária fabricante de motos Royal Enfield vai começar sua operação no Brasil na última semana deste mês, com a inauguração de uma loja em São Paulo. O G1 apurou que os primeiros modelos a chegarem, todos importados da Índia, são: Bullet, Classic e Continental GT.
“Vamos apostar em uma faixa de segmento pouco explorada no Brasil”, disse Arun Gopal, diretor de negócios internacionais da empresa. Especializada em motos com visual clássico, a empresa atua em uma cilindrada com poucas opções no Brasil: a de motores de 500 cc. A Honda é uma que tem participação com a sua família CB 500, mas são motos com "cara" mais moderna. Do Reino Unido à Índia: conheça a história da Royal Enfield

Chegada ao Brasil

Até 2015, as motos da marca britânica eram vendidas por um importador local. Agora, a empresa controlada atualmente pela indiana Eicher Motors começa a operar oficialmente no mercado brasileiro com uma subsidiária local, em plena crise nas vendas de motos em geral.

“Acreditamos muito no Brasil, sabemos que uma hora o mercado vai retomar”, afirma Arun Gopal.
A loja será aberta na semana do dia 24, na região do Ibirapuera. No comando da concessionária estão os irmãos Raul Fernandes Jr. e Maurício Fernandes, que já trabalham com lojas de BMW e Triumph. "Justamente nestes momentos (de crise) surgem nova oportunidades, e acreditamos muito neste nicho de motos clássicas. E também porque serão produtos acessíveis", explica Raul Fernandes Jr. Os preços só serão revelados na próxima quinta-feira (20), quando ocorrerá a apresentação oficial da empresa no país.

Classic 500


Modelo adota um visual bem clássico e possui apenas assento para o motociclista. Seu motor é de 1 cilindro e 499 cc, com injeção eletrônica, e rende 27,2 cavalos em números de desempenho divulgados na Índia. As rodas são de 19 polegadas, na dianteira, e 18 polegadas, na traseira. Seu peso total é de 194 kg, para um tanque de 13,5 litros.
Motor 499 cc e 1 cilindro
Injeção eletrônica
Refrigerado a ar
27,2 cavalos de potência
4,21 kgfm de torque
5 marchas
Partida elétrica e pedal
195 kg
Tanque de 13,5 litros
Regular - R$ 19.900
Regular ABS - R$ 20.900
Desert Storm, Squadron Blue e Battle Green - R$ 21.000
Desert Storm, Squadron Blue e Battle Green ABS - R$ 22.000


Bullet 500


Esse modelo é considerado a moto em produção mais antiga da história, com a fabricação iniciada em 1931. O motor é o mesmo da Classic e também possui rodas de 19 polegadas, na dianteira, e 18 polegadas, na traseira. O peso também é de 194 kg, para um tanque de 13,5 litros.
Motor 499 cc e 1 cilindro
Injeção eletrônica
Refrigerado a ar
27,2 cavalos de potência
4,21 kgfm de torque
5 marchas
Partida elétrica e pedal
195 kg
Tanque de 13,5 litros
R$ 18,900,00


Continental GT


A Continetal GT é a mais moderna da linha, mas também não deixa de adotar um visual clássico, neste caso, mais esportivo e no estilo "café-racer". O motor também é diferente, rendendo 29,1 cavalos de potência, com 1 cilindro e 535 cc de cilindrada. As rodas são de 18 polegadas em ambos os eixos.
Motor 535 cc e 1 cilindro
Injeção eletrônica
Refrigerado a ar
29,1cavalos de potência
4,5 kgfm de torque
5 marchas
Partida elétrica e pedal
184 kg
Tanque de 13,5 litros
GT: R$ 23.000
GT ABS: R$ 24.500


Motos são importadas da Índia

Em um primeiro momento, as motos chegam ao Brasil importadas da Índia. “Por enquanto, não estamos planejando a produção no Brasil, vamos com cautela”, explica o diretor Arun. A Royal Enfield começou a produzir motos em 1901, no Reino Unido, e depois de fechar as instalações britânicas, em 1967, seguiu apenas com a produção na Índia. Detalhes dos tanques das motos Royal Enfield são feitas à mão (Foto: Divulgação) Detalhes dos tanques das motos Royal Enfield são feitas à mão (Foto: Divulgação) Detalhes dos tanques das motos Royal Enfield são feitas à mão (Foto: Divulgação) No ano fiscal de 2016/17, foram feitas cerca de 660 mil motos. No entanto, apesar da grande produção e de sua história centenária, a marca não é muito conhecida no Brasil. "Vamos fazer um grande trabalho de marketing e a questão do custo-benefício será atraente", afirma Raul Fernandes Jr., sócio da Royal Enfield SP.

Obs.: Eu particularmente, (apesar do preço das Royal estarem num patamar acessível) acho que uma CB 400/450 com aquele motor de 2 cilindros ficariam muito melhor se fossem customizadas nesse desenho clássico.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Porão oficina versão 1.4




E as mudanças não param.

TV CCE 14" LED



Nessa segunda foto podemos ver a montagem nas coxas da CCE, tem uma trava que segura a placa em cima de uma lado, do outro lado a trava não chega até a placa, toda vez que se pluga o plug de energia da fonte a placa se desloca pra cima. Possivelmente  o maldito maus contato que tem nesse tipo de construção seria por isso, a alternativa foi cortar o plug e soldar direto na placa. Achar outro plug fêmea não valia a pena, até porque essa tevezinha é um lixo.

domingo, 9 de abril de 2017

Paralamas CB 450 metal

Vendo paralamas de CB 450 metal cromado, o cromo já está meio comprometido, foi limpo e cromado na Pernambuco (porto alegre) cromagem meia boca. Vai com suporte em alumínio polido e 8 parafusos inox.

r$ 350,00 não envio, pegar em mãos em Eldorado do Sul.



Muita paixão



CB gringa


domingo, 26 de março de 2017

Aquila 250 verde oliva

Tô pensando seriamente em pintar de verde oliva fosco...




Ela esta assim, ou quase, pois tirei quase todos os cromados:



segunda-feira, 20 de março de 2017

Pinador ULTRA F50 + Compressor De Ar 24 Litros 8,8 Pés Bivolt Br Motors

Estou usando um pinador ULTRA F50 que aceita pinos de 30mm a 50mm, e com ele um compressorzinho da BR Motors de 24 litros.

Por enquanto está tudo andando bem, ele (o pinador) funciona bem, e o compressor é claro precisa se recarregar de tempo em tempo, (o mesmo ocorre se for usar em pintura), ocorre alguns probleminhas mas creio que seja devido ao tipo de madeira usada, no caso foi sarrafos de 2x2 cm, de eucalipto, o mesmo usado normalmente para ripar telhado.

Acontece que alguns pinos entram e saem pela frente, então precisa tomar cuidado para não deixar a mão perto da ponta do pinador, pois ele pode sair pra qualquer lado. Em outros casos o pino não entra, mas isso creio que pode ser por pouca pressão durante a carga do compressor, amanhã volto ao trabalho e vou pinar OSB na duplagem dessa parede de madeira que estou tratando.

Custou relativamente barato, uns r$ 250,00 (não lembro agora) deixei de comprar um Makita porque o vendedor informou que ele só usa pinos da Makita, e não quero ficar escravo de um fabricante.



Splitting arquivo PDF facilmente

Google Tradutor - fonte:


Ocasionalmente, é preciso extrair algumas páginas de um documento pdf de várias páginas.

Suponha que você tenha um documento pdf de 6 páginas chamado Original.pdf. Você deseja extrair um novo arquivo pdf Novo.pdf contendo apenas as páginas 1 e 2, 4 e 5 de Original.pdf.

Eu fiz exatamente isso usando pdktk, uma ferramenta de linha de comando.

Se o pdftk ainda não estiver instalado, instale-o como este em um computador baseado em Debian ou Ubuntu.

$ Sudo apt-get update
$ Sudo apt-get install pdftk

Então, para fazer um pdf novo com apenas páginas 1, 2, 4, e 5 do pdf do arquivo original, faça:

$ Pdftk Original.pdf cat 1 2 4 5 output Novo.pdf

Observe que cat e output são palavras-chave pdftk especiais.
Cat especifica a operação a executar no arquivo de entrada, output indica que o que se segue é o nome do arquivo pdf de saída.

Você pode especificar intervalos de página como este:

$ Pdftk Original.pdf cat 1-2 4-5 output Novo.pdf

Pdftk tem mais alguns truques no bolso traseiro. Por exemplo, você pode especificar uma operação de estouro para dividir cada página no arquivo de entrada em um arquivo de saída separado.

$ Pdftk myoldfile.pdf burst

Por padrão, os arquivos de saída são nomeados pg_0001.pdf, pg_0002.pdf, etc.

Pdftk também é capaz de mesclar vários arquivos pdf em um pdf.

$ Pdftk pg_0001.pdf pg_0002.pdf pg_0004.pdf pg_0005.pdf output NovoArquivo.pdf

Isso combinaria os arquivos correspondentes à primeira, segunda, quarta e quinta páginas em uma única saída pdf.