domingo, 31 de agosto de 2014

Suspensão dianteira da CB400/450

Negocio essas peças por outras de CB 400, preferência por partes elétricas novas e amortecedor traseiro (não chines).
Esse paralama é de metal, fica bem cromado, a mesa superior pode ser polida e a inferior cromada.
O Guidon não é de CB, mas vai junto.





163316

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Senta, que lá vem a história...

Ontem fui atrás de algumas peças para a CB 400 e pra Virago 535, no caso queria amortecedor para a 535, não dá pra se atirar nas duas mas vale a busca. E qual é a situação do mercado?

Péssima para os consumidores que são enganados, ludibriados pelas montadoras, seja de carro ou moto. Com a conveniência das lojas, pois ninguém mais quer ter estoque de peças, dizem que não tem saída e claro nem se preocupam em dar opção para quem necessita de peças de reposição.

As poucas opções ainda são chinesas, e eles enchem a boca pra dizer: só importado, (antigamente peça importada era coisa fina, Made in Japan, ou Made in USA), amortecedores da TUX ou da Denshin coisa feita em fundo de galpão lixo mau feito e com acabamento de novatos.

Depois vem o motoqueiro chorar que não acha peças, que tem que encomendar e demora isso e demora aquilo. Se não ficassem fazendo o jogo das montadoras e trocando suas motos boas por brinquedo da Troll novo de plástico quem sabe hoje teriamos não só motos de qualidade como peças de reposição.

Tem vendedor que não sabe a diferença de bucha para distanciante, parafuso phillips para allen. Se tu quer uma solução nem fazem ideia do que sujerir. Por sorte fui numa loja em Sto Antonio da Patrulha (DID) e os caras ainda chamam alguém pra dar uma dica, teve um mecânico que saiu pela loja comigo atrás de amortecedor, vimos alguns mas nada que pudesse usar.

As montadoras que atuam no braziu, só colocam para os índios da terra o que é refugo lá fora. Motinhas de 125cc ou agora 150cc, é o que lotam as oficinas, e tudo pra fazer meia sola, as lojas/oficina adoram, pedir uma peça para uma moto do tipo Intruder 250, Mirage 250, Sahara, CB 400/450 ou qualquer nessa linha é algo quase impossível, aliado a isso temos proprietários que deslixam de tal forma essas máquinas que só restam sucata.

Tentei entrar numa loja para perguntar no balcão, mas tinha umas 7 bicheirinhas amontoadas na entrada tudo sendo "fuçadas" por um mecânico, ajustando correia, trocando óleo (de 10 reais) e etc. Tive que me espremer entre uma e outra para chegar na vendedora.

Depois a loja fecha porque não consegue pagar as contas vendendo só relação, óleo, pneu pra motoboy.

Agora chora, e não reclama porque roubaram tua moto para tirar peças.

Tenho pensando em entrar no mercado de peças usadas, mas comprando a moto normalmente, desde que com um valor razoável, podendo estar com problemas etc. Depois colocar as peças a venda, no fundo é uma pena tirar uma clássica de circulação, mas pela dificuldade que todos tem em conseguir as peças só mesmo a canabaliaação de outra parceira.

Virago 535 - Sissybar

Essas 2 peças achei numa loja, e vou adaptar para encosto do piloto com gralha no lugar do banco da garupa. A grelha serrei os 2 cilindros centrais 1 cm, agora precisa ajustar o ângulo, isso pode ser feito rasgando o furo de baixo, assim pode-se até ajustar a inclinação, falta ainda 4 suportes para colocar em cima do paralama, nada complicado, só preciso achar alguém disposto, vou no serralheiro e ver o que pode ser feito.

Surdina Virago 535 (Vendida)

Vendo no estado em que se encontra uma surdina original Virago 535, a ponteria superior está sem o abafador. Troquei pensando que faria muita diferença (a menor) do ruído. Mas no fim das contas ficou quase elas por elas, o barulho normal do escapamento original.





Vendo ou troco, por alguma coisa referente a Virago 535, comando avançado, amortecedores traseiros originais (não chines), banco modificado ou original em bom estado, senão tiver adquirido nada até lá.
Aconselho a cromar a curva, pintar a parte não cromada com tinta de alta temperatura para ficar menos feio e mais protegido. Não fiz isso na nova porque não foi eu quem trocou.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Curso de mecânica para luluzinhas...


Ducati Diavel Strada


Café



Peças de CB 450 para troca.

Estou trocando essas peças de CB 450 por outras que me interessem para a reforma da minha CB 400, ou para uma Virago 535.

São todas as carcaças do motor (baixado pelo Detran) algumas peças internas, (menos virabrequim, placa de partida, estator) a balança está em bom estado, tem só um amassado em baixo, as bengalas estão em bom estado, (se não tivesse trocado os cilindros da minha e pintado com eletrostática até usava essas), cilindro e camisas.


Como são muitas fotos e a droga do 3G da vivo não presta, só coloquei um print screen, se houver interessados mando foto em melhor resolução.

http://postimg.org/gallery/7ggijjxo/

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Tricilos - Trike 4 - Apache



Os triciclos derivados de motos custom estão em alta nos Estados Unidos, e essa moda, claro, já chegou às ruas brasileiras, ganhando adaptações de alto nível. É o caso da trike Apache, criada sob encomenda por José Pantojo, proprietário da Metalúrgica Pantojo. Torneiro mecânico com rara habilidade para manipular metais, o inventor tinha um sonho antigo: criar um triciclo baseado em uma moto com transmissão por eixo cardã. A oportunidade surgiu por acaso, após um desconhecido lhe entregar uma Suzuki Boulevard C1500 ano 2009.

Livre para criar e fazer as adaptações necessárias, Pantojo manteve a mecânica original e desenvolveu a balança traseira com base nas mais novas tecnologias dos triciclos norte-americanos. Paralelamente, Vito Simone, dono da empresa de customização Personal Parts, projetou a carroceria de fibra de vidro que cobre o eixo traseiro. Seu design foi inspirado no Renault 4CV — conhecido no Brasil como “Rabo Quente”. Do conjunto original, apenas o sistema de escape foi modificado. O motor (1500 cc, 98 cv) e a transmissão foram mantidos.

O curioso dessa história é que tudo começou com um triciclo baseado em uma Harley-Davidson. Por meio dele, José Pantojo conheceu o dono da Suzuki Boulevard. O que ninguém imaginava, porém, é que o projeto daria vida à Apache Motorcycles, marca inspirada na Indian Motorcycles, famosa fabricante de motos clássicas que é considerada a principal concorrente da Harley-Davidson. Por sinal, o triciclo Apache surge no exato momento em que a marca norte-americana ensaia seu retorno ao Brasil, após mais de seis décadas de ausência.

Fonte: R7