quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Versys-X 300



Em Paraty, histórica cidade no litoral do Rio de Janeiro, a Kawasaki apresentou nesta quinta-feira, 21, a trail Versys-X 300, motocicleta revelada ao mundo no Salão de Milão, em novembro de 2016 e que chega às concessionárias da marca no Brasil em outubro.

A moto se diferencia das demais trail vendidas no Brasil pela seu conjunto mais refinado. O seu visual divide opiniões e lembra muito a KLR 650, que nunca foi vendida por aqui. Nós gostamos, principalmente na cor verde. Ela será comercializada em três versões: sem ABS, com ABS e a Tourer (apenas com ABS). Ela amplia a família 300 da Kawasaki, se juntando a esportiva Ninja 300 e a naked Z300, com quem compartilha o mesmo motor bicilíndrico em linha, arrefecido a líquido, com 296 cm³, que rende 40 cv de potência máxima, de acordo com a marca, com pico de torque de 2.6 kgf.m. Ela pesa 175 kg e tem 17 litros de capacidade no tanque de combustível, o que garante boa autonomia.

O X no nome tem explicação. Diferente das outras Versys (650 e 1000) que são crossover, com rodas aro 17” e pneus para alto desempenho no asfalto, a Versys-X 300 é sem dúvidas é a mais versátil das 300 da marca. Tem rodas raiadas em alumínio polido —, sendo aro 19” na dianteira, e bons pneus de uso misto (Pirelli MT60), além das suspensões de longo curso (130 mm na dianteira e 148 mm na traseira) e eficientes freios, sendo o traseiro devidamente ‘calibrado’ para ser mais progressivo que a Ninja 300 e a Z300, evitando travamentos constantes nas frenagens em terrenos com baixa aderência.

Tecnicamente e pelo preço, ela não tem concorrente direto no Brasil. Ela está um nível acima de Yamaha Ténéré 250 e Honda XRE 300 e tem proposta diferente da Honda CB 500X, que não vai tão bem no fora de estrada, pela roda aro 17” e pneu mais voltado para o uso no asfalto. Enquanto não chegam BMW G 310 GS e Suzuki V-Strom 250, ela está sem rival no Brasil, e servindo como opção para quem tem as trail 250 e 300, mas quer mais desempenho, conforto e segurança.

Versys-X 300: R$ 22.900
Versys-X 300 ABS: R$ 24.990
Versys-X 300 Tourer ABS: R$ 26.990

Vale lembrar que uma XT 660 2016 está por volta de r$ 28 mil.

Fonte:

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Falcon verde fosco (militar) ou metálico!?

Estou muito afim de pintar a Falcon de verde fosco, por outro lado esse verde da NC750 está bem bonito, deixaria só o tanque preto como está agora, o resto tudo verde. Quero ver se consigo um jogo de carenagem usado, mando pintar e depois só troco as peças.



222.333

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Falcon, solda do quadro.

A solda do quadro da Falcon é assim mesmo?
Estou aprendendo a soldar sozinho e acho que faço iguai a isso, então estou bem na foto!!

Falcon rebaixada

Essas são as peças que recebi hoje do Manivela, um link para rebaixar, um pézinho mais curto pra colocar no lugar do original e um segundo pézinho pro lado direito para servir de cavalete.



Esse é o link original que será substituido. A troca é até simples de se fazer, precisa colocar um macaco em baixo da peça que segura o link, o amortecedor e o quadro, para evitar de cair tudo pra baixo, depois de tudo firme é só soltar os dois parafusos que prendem o link, retirar o link original, dar uma aliviada no macaco para que possa recolocar os parafusos (no kit não acompanha parafusos novos, nem instrução de troca).



Depois de trocado o link, tem que trocar o pézinho, o que não é uma tarefa dificil, pois dá pra fazer com uma mão só, enquanto a outra segura a moto, o problema é colocar a mola, e pra piorar, como mostro na foto a mola não alcança nos pinos, pois o pézinho veio com um erro de posicionamento, e também não veio com uma mola correta. A solução que tomei foi pegar uma mola que tinha guardado de uma máquina de lavar que tinha desmontado, ainda assim ficou curta, cortei 2 elos de uma corrente e ai sim consegui colocar, com ajuda de alavanca e outras traquitanas.



O resultado final do cavalete no lugar foi esse, e com o rebaixamento, consigo colocar a sola dos pés no chão, isso que ainda não baixei 1 cm na suspensão dianteira.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Doação peças e acessórios



Pra doação

1- Interessados arcam com os custos de, envio, embalagem, gasolina, fita crepe, tinta da caneta, cafézinho etc.

Algumas peças são de CB400, Mirage, Virago 250, e outras...



Espadas modificada para sissy bar da Mirage 250, grelha usada nas CB450 da PRF banco solo, grelha para ser fixada num bau mas com modificação poderia ser adaptada para banco solo, bagageiro pra twister eu acho, bagageiro não sei pra que moto, outro bagageiro talvez pra alguma suzuki.



Espelhos originais meia boca da Mirage 250 e um abafador que pode ser usado como medida para refazer os abafadores que retiraram e se arrependeram.


Dois aros de Virago 250 (dianteiro e traseiro) estão com pontos de ferrugem, se for pintados ficam bons se for cromar acho que não vale a pena.

Outras peças não relacionadas estou vendendo. Como encosto de sissy bar, Sissy bar articulado completo para Mirage 250, Bolha universal, protetor de motor para Falcon, Bagageiro para Falcon, chave de punho esquerdo (farol, buzina e pisca) igual da Falcon, etc.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Peças & Partes nas concessionárias

Essa semana fui comprar uma boia e agulha pra Falcon, o primeiro lugar que fui foi numa concessionária da Ronda, e só por encomenda.

Depois corri algumas lojas na Farrapos e não achei em nenhuma só fui conseguir numa loja da Sertório.

Depois ninguém sabe a origem de tanto roubo de veículos para retirar peças & partes. E a culpa é do cara que compra.

Quanta coisa estranha nesse aviso!!!



Sim, temos peças genuínas, originais, paralelas, roubadas etc...

Qual é a diferença entre peças genuínas e originais?
Caetano Lourenço Avilar, de Curitiba.

As montadoras não produzem todas as peças utilizadas na fabricação de um veículo(*). Elas compram a maioria das peças de fabricantes pré-selecionados, que também fornecem para rede de varejo independente, só que com suas próprias marcas.
Quando são fornecidas para as montadoras revenderem em sua rede de concessionários, as peças recebem o título de genuínas.
Já quando são comercializadas com o próprio nome do fabricante – também fornecedor para montadoras – recebem o nome de originais.
Roberto Monteiro, superintendente da Anfape – Associação Nacional dos Fabricantes de Autopeças.

(*) Ok, então como é considerada a peça fabricada pela montadora? E as montadoras que fabricam todas as peças?

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Falcon 2007/2007





Pois bem, comprei outra Falcon, já tive uma a uns 4 anos, nem lembro, acho que era 2004, devo ter feito alguns posts aqui sobre ela, mas depois de tentar outras motos (como tenho muitas dores de coluna estou desistindo e resistindo a andar de moto). Essa agora é uma 2007, essa semana fiz a transfêrencia e logo recebo a documentação definitiva.

Por esses dias tive um problema no pneu traseiro, o que acabou rasgando a câmara, e como pneu estava na última troquei a porcaria do Rinaldi por um Michelin. Mas o dia estava punk, rodei até outra cidade pŕoxima e... um prego no pneu novo e lá se foi mais uma câmara. Agora falta trocar o dianteiro que já está fora das especificações.

Então como não poderia ser diferente temos que fazer as manutenções preventiva da máquina, nunca devemos acreditar em papinho de vendedor, que foi feito isso, trocado  o óleo, foi revisada e bla bla bla, se não tiver notas de serviço esquece.

Ontem retirei o óleo velho, não deu nem 1 litro, e coloquei 2 litros (1,9l) de Motul, troquei o filtro de óleo, apanhei pra tirar o filtro metálico que tem em baixo do reservatório do óleo do lado direito do tanque.

Troquei o filtro de ar, e limpei o filtro secundário, que é apenas um espuminha, lavei e coloquei um pouco de óleo nele. Falta trocar as velas e outros detalhes.

Hoje fiz a vistoria pro seguro que vai ser da Sul América, e vai me custar r$ 1.200,00.

Uma outra hora vou depenar ela e lavar com lava-jato, mesmo contra algumas opiniões ditas por ai.

Abasteci 2 vezes, na primeira coloquei 10 litros depois de rodar 200km, na segunda coloquei 8 litros depois de rodar 228km.

Ainda pretendo trocar a cor dela, ela é cinza, e quero deixar verde fosco militar.




Tipo de motor4 tempos, 1 cilindro, 2 válvulas por cilindro, OHC RFVC, cárter seco
Refrigeraçãoa ar
Capacidade cúbica397,2 cm³
Diãmetro x Curso85 mm x 70 mm
Taxa de compressão8,8:1
Potência máxima30,6 cv a 6.500 RPM
Torque máximo3,51 kgf.m a 6.000 RPM
Marcha lenta1.300RPM +/- 100
Capacidade de óleo (sem troca de filtro)1,7 litros
Capacidade de óleo (com troca de filtro)1,8 litros
Capacidade de óleo (total)2,2 litros
Combustível
AlimentaçãoCarburador
Diâmetro do carburador35,3mm
CombustívelGasolina
Tanque de combustível (incluíndo reserva)15,3 litros
Reserva de combustível5,3 litros
Eletrônica
IgniçãoCDI
PartidaElétrica
Bateria12V 6Ah selada
Saída do alternador321 W
Farois55/60W H4 x 1
Transmissção
EmbreagemMultidisco banhada a óleo
CâmbioManual sequencial de 5 velocidades
Redução final40/15
Transmissão finalPor corrente
Quantidade de elos da corrente106 elos
Passo da corrente520
Quadro
Tipo de quadroTubular de berço semi-duplo em aço
Dimensões
Comprimento2.147 mm
Largura789 mm
Altura1.210 mm
Distância mínima do solo245 mm
Distância entre eixos1.433 mm
Caster26,24º
Trail100 mm
Altura do assento850 mm
Peso seco151 kg
Capacidade máxima de carga155 kg
Suspensão
Suspensão dianteiraGarfo telescópico, curso de 220 mm, sem ajustes
Suspensão traseiraMonochoque com Link, curso de 195 mm, ajuste de pré-carga da mola
Roda dianteiraAro de aço, raiada, 21 polegadas
Roda traseiraAro de aço, raiada, 17 polegadas
Pneu dianteiro90/90 21 54 S com câmara
Pneu traseiro120/90 17 64 S com câmara
Freios
Freio dianteiroDisco simples ventilado, de 256 mm, pinça, de 2 pistões, sem ABS
Freio traseiroDisco ventilado, de 220 mm, pinça, de 1 pistão, sem ABS

Motorhome

Expo Motor Home - Novo Hamburgo/RS
Início: 24/11/2017 às 09:00
Término: 26/11/2017 às 18:00


A abertura oficial da Expo Motor Home, a maior feira do segmento no Brasil, acontece no dia 24/11 às 9:00 e o evento se estende até às 18h do dia 26/11.

Local: Fenac - Novo Hamburgo/RS

Informações e inscrições: www.expomotorhome.com



Seguem alguns exemplos lá fora da facilidade em construir um motorhome.

https://www.youtube.com/watch?v=Z2GNaqmx7XM
https://www.youtube.com/watch?v=B2SYF8mbhL0


Algumas dicas e regras.
https://www.youtube.com/watch?v=nhb1V01Vutw
https://www.youtube.com/watch?v=-PEmX8Bij4Q


QUAL CARTEIRA PRECISA PARA DIRIGIR MOTORHOME, SAIBA AQUI

Afinal qual carteira precisa para dirigir motorhome? Essa é uma das primeiras dúvidas de quem quer fazer ou comprar seu primeiro motor-casa.

Pra você que se interessa em motorhomes, ou tem vontade em fazer ou comprar o seu próprio, mas tem dúvidas de qual a habilitação exigida. Acompanhe esse artigo.
Bom, em 2011 houve mudanças no código de transito brasileiro com relação a habilitação exigida para se dirigir motorhomes e trailers.
Se você pretende adquirir um motor home, e possui carteira de habilitação do tipo B, tem que se preocupar com o PBT do veiculo.
Mas afinal, o que significa PBT?
PBT : Significa peso total bruto que se dá pela soma de: peso do veiculo + peso da carroceria + peso da carga. É uma especificação fornecida pelo fabricante do veiculo.
De acordo com a nova lei, quem possuir a CNH do tipo B terá permissão para dirigir motorhomes que não exceda 8 lugares, (tirando o do motorista) e possua um PBT de menos de 6,000 kg.

Agora você deve estar se perguntando:
Quais os modelos de motorhome posso dirigir com minha CNH do tipo B?
Com a carteira B você poderá dirigir qualquer motorhome que não exceda 6,000 kg de peso bruto total.
Exemplo: Motorhomes fabricado com vans e alguns modelos micro ônibus.
Dessa forma você deve se preocupar apenas com PBT e com o número de assentosdisponíveis para transporte de pessoas, que não deve exceder a oito pessoas.
Lembrando que os assentos devem conter cinto de segurança e o motorhome deve estar documentado como motor-casa.
Habilitação do tipo C:
Se, seu motorhome alcançar, ou ultrapassar 6,000 Kg então para dirigi-lo você deve ter a habilitação C, mantendo ainda 8 lugares, tirando o motorista. Porém o peso bruto total fica sem limites.
Habilitação do tipo D
Agora se pretende optar por motorhomes que transporte mais de 8 pessoas não importando o PBT, terá que ter habilitação do tipo D.
Mesmas regras valem para trailers.
IMPORTANTE: Caso pretenda rebocar em seu motorhome outro veículo principalmente de 4 rodas, fique atento com o peso extra desse veículo, pois este também conta na soma do PBT final, e no tipo de habilitação exigida.
Escolhido seu veiculo compatível com sua habilitação é só curtir o prazer de ter sua casa sobre rodas.
Se você ainda tem alguma dúvida sobre qual carteira precisa para dirigir motorhome deixe seu comentário que será um prazer ajudar.
fonte: http://www.vivendonaestrada.com/qual-carteira-precisa-para-dirigir-motorhome/